quinta-feira, junho 04, 2009

Da Dor

"Esperto é o pirata que atende o telefone com o fone no gancho"

A nossa vida é movida de sentimentos e emoções que podem ser duradouras ou instantâneas. Seja qual for pode ser modificada por objetos externos, como cigarros, bebidas, ou ações como sexo ou esporte.
A dor é uma dessas emoções que podem ser duradouras ou instantâneas. Duradouros quando acabamos algo que nós é valioso ou que vai embora. Ficamos pensando que não conseguiremos superar, pelo simples fato da rotina de estar com aquela pessoa, ou o fato de ter aquilo que lhe é tirado. Ou quando seu time perde na final da copa, ou mesmo, rebaixado para a segunda divisão. Isso passa e, de certa forma, é angustiante, mas passa. Já a instantânea, é aquela dor engraçada que dói, fisicamente, um absurdo. Já vi e vivenciei várias dores lascinantes e engraçadas. Um descida do sobrado para atender o telefone na sala e ao chegar no andar inferior sofrer de uma cãibra e ainda tentar me aproximar do telefone, que tocava há alguns minutos, e acertar o maldito dedo 'minguinho' pra terminar de doer pra cacete. A altura dos fones do iPod, com o aparelho no máximo, chega a machucar os ossículos internos do ouvido. Uma corrida de 'cavalinho' inocente, com uma queda e uma tentativa de recuperação ao levantar a pessoa e ao mesmo tempo pisar em seu cabelo, e como a bebida e a situação não colaborava, as pessoas riam e não levantavam enquanto tentavam inultimente ficar de pé e avisar que, um da dupla pisava no cabelo do outro da dupla. Ou jogar bola no frio, com uma bermuda daquelas que é possível que nademos, e, ao estar no gol, vir alguém e encher o pé para que a bola dirija-se exatamente no saco. Puta que pariu. Isso é a maior dor que um homem pode sentir. Podem ter certeza disso. É muito pior que pedra no rim. É muito pior do que trabalho de parto, mesmo que sejam gêmeos saindo, simultaneamente, de parto normal. Não dói tanto quanto essa bolada no saco. Tatuagem nos pés. Piercing nos mamilos. Garfo fervente no lábio. Dedada no olho. Tapa 'amigo' no abraço, que acerta o baço. Cair de costas na piscina. Ao escovar os dentes bater a escova na gengiva. Prender o dedo na porta do carro. Deixar cair a gaveta no dedão do pé. Apoiar a mão no ferro de passar roupa. Tudo isso dói pra caralho.
O importante é: no final de tudo, sempre temos mais uma história pra contar.
Saudações.

8 comentários:

Giovana Oliveira disse...

"Tatuagem nos pés. Piercing nos mamilos." Sim, isso dói.

ivan delgado disse...

oPa!1 Você tem?

Nane disse...

costumo dizer que esse tipo de dor, dói na alma!

beijos, Vanzão!

Pumbaa disse...

porra vey de vc se machucando eu lembro vaaaaaaaaaarias!!!
uheauheauhaeuha

mas a inesquecivel foi qdo eu puxei a cadeira e vc caiu de bunda!!!
aeauheuhaeuhaeuea

akela nao deve ter doido muito, mas foi animal!!!

teve tb akele dia no ETEVAV que vc foi tentar pular akeles negocio onde caia a agua da chuva, ai vc errou a pisada caiu dentro do negocio virou uma cambalhota e saiu do outro lado EM PÉ!

nuss...

uhaeuheauheauh animal!

Ana. disse...

HISTÓRIAS DO KABRITAUM SENDO REVELADAS, HEIN.



Já volto pra ler o texto :*

wendell penedo disse...

Pior é atropelar um cachorro de moto e ainda perder uma paranga.

jessica disse...

"Uma corrida de 'cavalinho' inocente, com uma queda e uma tentativa de recuperação ao levantar a pessoa e ao mesmo tempo pisar em seu cabelo" kkkkkkkkkkkkk morri!

Marquinho Pagetti disse...

hUhaUa...a bermuda do futiba parecendo aquelas do Ciclone, que iam até quase o meio da canela, impedindo qualquer tipo de movimentação mais aguçada!!