domingo, abril 12, 2009

Da Páscoa

"Ovos de coelho tem tanto sentido como cobras dando de mamar"

A Páscoa é um dos feriados mais engraçados que existem. A quinta-feira santa, por exemplo, não existe. Só para instituições de ensino. Na sexta feira não podemos comer carne vermelha. Só bacalhau, e foda-se se você não tem dinheiro. No sábado devemos espancar um senhor morto há milhares de anos. E no domingo devemos almoçar em família.
Da quinta-feira e da sexta-feira - Eu acho que a quinta feira existia antigamente. Pelos meus cálculos pelo menos. Se Jesus ressucitou no terceiro dia, a conta com sexta-feira não está nada correta. Acho que por isso as quintas feiras são consideradas santas pelas instituições de ensino. No subconsciente escolar, vulgo aulas de matemática para a 1ª série, eles devem fazer o cálculo de 72 horas e chegar a incrível conclusão de que era pra ser na quinta. Ou a páscoa na segunda feira. Sem contar a grande porcaria de não poder comer carne vermelha. Por que não? Nada contra as regras religiosas, mas o que tem a ver? O dia já está errado mesmo. O bacalhau é gostoso mas eu prefiro uma picanha.
Do sábado - Que dia emocionante. Todo mundo espancando um boneco de jornal em plena hora do almoço. Isso porque no dia anterior já tinhamos regra para comer e logo no dia seguinte, vejam só, ao invés de almoçar vamos sair vandalizando. O mais legal é que seguindo os ensinamentos de Jesus e tal você simplesmente lê, explícitamente na bíblia, que ele perdoou nossos pecados e também que não devemos julgar para não sermos julgados. Bom tirando a contradição bizarra podemos citar o Brasil esse ano como um exemplo fantástico de patifaria da maior nação católica do mundo. Pessoas fazendo bonecos de Lindemberg e o Casal Nardoni. Como se essas pessoas fossem menos que nós todos. Puta vida, brasileiro consegue chegar a níveis de vergonha em praça pública e rede nacional nunca antes vistos. Todo mundo gosta de falar que o outro é um bosta, só que quando acontece algo que fode com a própria vida, acha ruim e fica procurando coisas para por a culpa. Enfim, um espetáculo grotesco.
Do domingo - Acho que essa tradição de comer em família é bem furada.Acho que dizem: "Não temos uma tradição para o feriado? Almoço em família." Tá tudo bem. Tem o rolê da última ceia. Ele janta SÓ com os apóstolos, segundo as escrituras, que seriam sua família. E a Virgem Maria não janta em família com seu próprio filho? Bom que seja. Acho muito mais tradicional no feriado fazer o que gostamos e não o que a sociedade nos manda fazer.
Mas caso ainda gostem dos feriados comerciais, e espero que ainda gostem, continuem comprando, pois pessoas como eu podem continuar lhes vendendo ovos de coelho e leite de jacaré. Quanto ao meu feriado eu comi carne vermelha na sexta, bebi na quinta, bebi no sábado e vi o futebol no domingo.
Saudações.

7 comentários:

Evandro Nel disse...

Tbm comi carne, nao espanquei nenhum boneco pois tinha coisas BEM melhor pra fazer e domingo dei role com os brothers =D

Ninguém disse...

Eu nem lembrei que não podia comer carne na sexta.

Diego Kingdom disse...

Eu também fui um dos que esqueci das restrições do feriado e mandei pra dentro um "sanduíche de presunto", daqueles de fazer inveja ao Chaves.
Acho ridícula essa noção de que devemos seguir os passos de Jesus, jejuando na sexta e tals. Quem somos nós pra tentar copiar as ações de Jesus? Corja de pecadores...
Essa do Judas eu sempre achei um absurdo tremendo. Ao contrário do que a igreja "exige" que eu acredite eu nunca vi Judas como o traidor que pinta, eu simplesmente acho que ele foi vandalizado pela igreja porque todo herói precisa de um vilão. Como o Diabo nunca se apresentou em pessoa ficou a cargo de Judas essa função. O que eu penso é que ele apenas "dedou" Jesus a pedido do próprio, uma vez que era sabido que ele deveria ser sacrificado em nome do perdão de nossos pecados e nunca que os apóstolos e os fiéis deixariam que ele fosse pego.
Acredito que ele tenha sido um mártir por ter sido incumbido de tarefa tão ingrata, tanto que, segundo as próprias escrituras, Judas se enforcou logo depois, tamanho o sentimento de culpa e pesar que ele carregava em seu coração.
Os evangelhos apócrifos apontam para uma teoria semelhante a minha, mas não quero entrar em discussões religiosas.
Eu acho que os feriados, principalmente os religiosos são importantes pois resgatam nossa humanidade e nosso convívio familiar. Se a páscoa, bem como o Natal e o Ano Novo, conseguirem unir ao redor da mesa famíliares que raramente têm tempo para se dedicarem uns aos outros e que traga sentimentos de confraternização, perdão e felicidade já valem a pena. Acho isso independente de imposições religiosas, regras de conduta (como a carne) e todos os simbolismos e consumismo por trás das datas.
Espero que muitas famílias tenham se reunido, se aproximado e que continuem fazendo isso em todos os feriados, independente de serem civicos ou religiosos.
E quanto a malhação do Judas com cara de Lindemberg e Nardonis acho que isso é apenas uma banalização da violência e mais uma desculpa para animosidades da população, assim como os protestos e os apedrejamentos que houveram, impulsionados pela mídia, durante a cobertura dos respectivos crimes.
Tantas pessoas morrem de maneira brutal todos os dias e ninguém nem aí. Se querem fazer alguma coisa de inteligente que deixem de tentar "notoriedade na mídia" agindo como aborígenes incivilizados e violentos e passem a votar com consciência, exigir medidas governamentais e instruir-se um pouco mais, ao invés de deixar o arroz queimando para aparecer em "protestos por justiça" televisionados pelo "Balanço Geral".
Eita país...

Valeu Ivan, firme e forte como sempre! Quando crescer quero ser como você!!

Roberto disse...

"[...]e vi o futebol no domingo."

seu domingo deve ter sido péssimo então... kkkkkkkkk!

ivan delgado disse...

Vou procurar a graça. Deve estar escondida em algum lugar que eu nao vi

Ana. disse...

Lingüiça apimentada na sexta feira santa é sempre bom.

Ana. disse...

Ou melhor: linguiça.
Que feio.